img1_0004_small.jpg

fonteromanasantaeugenia_small.jpg

Home
Esta Aldeia/roling
Com Rolling
HTML - A Mulher e a Religião
Fotos de Santa Eugénia
Fotos de Santa Eugénia-1
Fotos Santa Eugénia-2
Fotos de Santa Eugénia-3
Acerca de Santa Eugénia
Historial, A Religião e a Mulher
Fotos de Santa Eugénia4
Fotos de Santa Eugénia-5
Fotos de Santa Eugénia-6
About Me
About Me-1
Favorite Links
Contact Me
Editorial de Santa Eugénia
Historial de santa Eugénia

A Religião e a Mulher A Religião e a Mulher

 

A Religião e a Mulher

Clique nas Fotos ou no espaço - onde deviam estar - deixado por estas caso não abram.

jnreis-cruz_de_cristo_small1.jpgjesus-small.gif

Por - JNReis

img1_0004_small.jpg

 

 

 

 
 

A Religião e a Mulher

jnreis-meucoração.gif-Amo as Mulheres

Bato por Ti

(Click nas fotos, se não abrir clique no espaço onde elas deveriam estar)

A Religião, porque filha da Civilização, é não só uma edificação do homem - não é a Lei da sorte e do azar, ou melhor, a Lei do Acaso, que na nossa Cultura, existe um Deus (Macho) e não uma Deusa (Fêmea) - como algo de diferente, de distinto - sem merecer distinção alguma - daquela outra "Religião" que existiu no tempo da civilização «Matriarca».

Após a mudança dessa Civilização, dessa Cultura, para a actual, a saber, a «Patriarca», o ser dominante desta - o homem - , não mais se escusou a esforços no intuito - largamente conseguido - de arredar a Mulher do protagonismo e estrutura principal do Culto.

Julgo poder afirmar, sem receio de que esteja a cometer falso perjúrio e ou uma qualquer forma ou maneira de inverdade,

que "Paganismo", era numa boa parte das situações, bem mais tolerante com a mulher, do que o tem sido - e julgo ter continuidade - o Cristianismo, para não falar do Islamismo e do Judaísmo!!!

Recorde-se a «Deusa» Deméter e as Sacerdotisas...

 
 

Não deixa de também ser óbvio, que os «Deuses» têm sido bem mais lentos a conceder à Mulher as conquistas, os direitos, as regalias, a afirmação pessoal, adquiridos - embora com muito esforço - nos planos Económico, Politico e Social.

Contudo, o que mais me «Espanta e Choca» - a mim e ao mais sou homem - é o facto do atrito, resistência, colocação de obstáculo após obstáculo, Pratica continuada,  aconselhada, ditada como lei em muitos casos, por parte da hierarquia Católica, materializada e conseguida através dos seus «dignos» representantes, à Emancipação, para além de ainda não ter fim à vista, tem vindo a endurecer - ao mesmo tempo que também a luta da mulher pelos seus direitos - a cada dia e conquista acerca das pretensões do sexo forte.

Como bom exemplo do que acabo de referir, tenha-se presente o reforço que o actual Papa - Paulo VI  - tem vindo a efectivar, quanto a uma crescente aproximação, presença, afirmação e protagonismo da mulher na igreja, dando como encerrado o tema de uma possível - e até necessária para a própria continuidade do Catolicismo ao nível dos seu ritual e culto - ordenação alargada ao sexo feminino.

 
 

Quanto a mim, a visão actual e futura de um Papa que já nasceu «Néscio», sempre foi «Demente» e há muito que está «Senil», é de tal forma exíguo que nem tão pouco consegue ver a importância que a personagem «Virgem Maria», Mãe de Cristo, vem há muito ganhando dentro do Cristianismo e, a sua semelhança com Mulher, Esposa e Mãe!!!!

É sabido, que essa importância  - da Mãe de Deus - se iniciou, melhor, apenas é conhecida ou só apareceu, no século IV e veio preencher o vazio existente pela ausência de uma marcante divindade feminina no Cristianismo; É mais que provável, é  de probabilidade próximo de 1, que o Cristianismo foi buscar à divindade concorrente, a Deusa Isis, as suas litanias - Procissões, súplicas - , pois, se a relação entre os «Deuses» e as mortais é esquiva  ao Judaísmo, é concebível noutras religiões, como por exemplo a Grega.

Por conseguinte a gradual preponderância da Mãe de Deus e do Mundo - o culto Mariano - , patente por exemplo no «milagre» de Fátima, espelha a míngua da igreja católica em criar uma personagem, onde se pudesse evidenciar a religiosidade no feminino.

Claro está, que este crescente «Marianismo», aduz um perigo ou pelo menos grande preocupação para a igreja católica, que é o desaparecimento «Cristocentrismo» - Jesus Cristo como figura central do próprio Cristianismo - , bem patente na recente construção de um templo ao Santíssimo Sacramento  em Fátima. Pois, o centro teológico e liturgico, é o «Sancta Santorum», o Verbo e a Cátedra.

Analisando o que tenho vindo a expor, não é de difícil conclusão, o facto de que o Cristianismo, após a introdução - no Sec.IV da importância da Mãe de Deus - tem dois lados,  a saber

O masculino, dominante e principal e o Feminino, secundário e lateral

No primeiro (1.º),  está o Homem-Deus e o sumo, a essência, o âmago, o alento da teologia:

Criação e Escatologia Redentora, Salvadora, messiânica.

 O Altar-Mor, é o seu espaço no Templo.

No segundo, Está a Mulher e a Aparência Religiosa:

Virgem Maria, Nossa Senhora, Mãe de Jesus, Santos e Santas - São José, Santo António, Santa Ana, Santa Bárbara, etc. - , objectos de "Devoção Emotiva".

O Seu Espaço no templo, São, Regra Geral, os "Altares Laterais".

Deus, invisível, nos confins do universo, longínquo, sumido, encoberto, irrepresentável, absorto, alheio, desatento, perturbado e perturbante, duvidoso e abstracto que nos quer incutir a teologia, o povo prefere a representação, o mando, governo, dominação e a visibilidade do divino.

A teologia, é «fidalga», «superior», «proeminente», «aristocrática» e «espiritual», «inteligente», «lógica», «finória», «racional», «manhosa e «ardilosa»; a religião popular é «impressionante», «comovente», «emotiva», «benévola», «afectiva», «sensível» e «sentimental».

Não existe inocência alguma, em todo o simbolismo da construção do "Templo de Fátima", em honra da Santíssima Trindade, para o qual, a primeira pedra é propositadamente mandada vir de Itália e para além disso, é do Próprio Túmulo de «São Pedro" !!!

É que há que abrandar, debilitar, diminuir, atenuar, abater a carga, o ónus, o incomodo, o embaraço, o fardo, a responsabilidade, o peso alto, demasiado, descomedido, subido, excessivo do culto por Maria!!!, pois, faz esquecer o fundamental, o essencial, o básico, o capital, o importante, o primário - O Cristocentrismo.

Autor

José Nogueira dos Reis

Em 25 de Setembro de 2000

img1_0024_small.jpg-Vivam as mulheres

 

Editorial de Santa Eugénia

santaeugénia_small.jpg-Viva St.ªEugénia

jnreis-campofutebol.jpg

Propriedade:          José Nogueira dos Reis

Direcção:               José Nogueira dos Reis

Rua da Barreira, nº12.

Telemóvel: 938415615

Publicação Quinzenal nº0

Série 0

Ano 0

Ano Cristão - 2002

 

 

Se as Fotos não abrirem clique no espaço que tem hiperligação.

Para outra Foto

ALIJÓ  

TERRA DE RARA BELEZA

 jnreis-pelouro.jpgjnreis-rustica.jpg

 

 
Senhor Professor-Manuel Adérito Figueira

camaramunicipal.jpg

riotinhela_small.jpgjnreis-relogio_small.gifjnreis-calçadaromana_small.gif

jnreis-obrasmall.gif-Um abraço ao Paulo Murraco

LOCALIZAÇÃO

O concelho de Alijó pertence ao concelho de Vila Real e a sua sede dista desta cidade 45 km a Este. Encontra-se a uma altitude de 600 metros e é delimitado geograficamente pelos rios Douro, Tua, Tinhela, e Pinhão.

É um concelho rural de 2ª classe e conta com cerca de 25 mil habitantes distribuídos por 19 freguesias, a maior parte com mais de uma localidade, num total de 49 povoações. De entre as freguesias existem cinco vilas a saber: Alijó, Favaios, Sanfins do Douro, Pinhão e Vilar de Maçada.

 jnreis-marquêspombal.jpg

RESENHA HISTÓRICA

Situada numa zona de cultura castreja, a actual Vila de Alijó, foi sem dúvida romanizada e ocupada pelos árabes que terão possivelmente estabelecido o topónimo, tendo pertencido a actual vila a Ali – Job, que lhe deu o nome. Mas não é uma questão pacifica esta da origem do nome, pois segundo Pinho Leal o nome deriva do hebraico “azob” a que os árabes chamavam “azzoff” que significa erva, os mouros juntaram-lhe o artigo “al” e ficou “alzof” ou “azob”, que facilmente se corrompeu para Alijó. Mas também há a opinião do professor doutor Pedro Serra que diz:  «Trata-se» de um diminutivo de laje formado a partir da forma primitiva“lagena”. A evolução do termo que era “lagenola” conduziu “lageola”, seguido de “lajó” e finalmente Alijó por prótese do “a”.

Devido à sua implantação da faixa móvel e instável entre mouros e cristãos, foi desbastada e ficou despovoada durante a Idade Média. Por essa razão, D. Sancho II concedeu-lhe o foral em 1226, renovado por D. Afonso III em 1269. É assim uma das Vilas formadas pelas primeiras medidas de povoamento e reodernamento territorial organizado segundo modelos da época durante a 1ª dinastia. O rei  concedeu regalias especiais ao moradores e determinou a partilha e o uso das terras do Município e dos vizinhos.

D. Manuel I concedeu foral novo à Vila de Alijó em 1514,   substituindo a anterior estrutura medieval por instrumentos jurídicos e administrativos que a integram no ordenamento regional e a submetiam    ao poder central.

O desenvolvimento da cultura da vinha na região do douro nos séculos XVII e XVIII propiciou à vila uma certa prosperidade e a fixação de famílias da nobreza e da alta burguesia. A igreja matriz de Santa Maria Maior e a Capela da Misericórdia são o símbolo desse desenvolvimento.

HERÁLDICA

A  constituição heráldica da bandeira e armas da Câmara Municipal de Alijó é a seguinte:

«De ouro, com um castanheiro de verde arramado de negro acompanhado de duas torres de vermelho, realçadas de negro. Bordadura de negro, carregada de oito ouriços de castanheiro. Coroa normal de quatro torres de prata. Bandeira esquartelada de amarelo e de verde. Listel branco com dizeres de negro. Lança e haste douradas.»

Por

José Nogueira dos Reis - Rua da Barreira, 12

5070/411 Santa Eugénia